Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > Empresas juniores
Início do conteúdo da página

Empresas juniores

Criado: Sexta, 06 de Dezembro de 2019, 16h48 | Publicado: Sexta, 06 de Dezembro de 2019, 16h48 | Última atualização em Sexta, 06 de Dezembro de 2019, 18h20

Incentivo para empreender

Empresas formadas por estudantes de cursos superiores complementam o ensino por meio da prática profissional e da inserção no mercado de trabalho

1Empresa Júnior (EJ) é o termo utilizado para designar uma associação civil sem fins lucrativos gerida exclusivamente por estudantes de cursos superiores. No IFSULDEMINAS, o fomento dessas empresas ocorre via editais publicados pela Pró-Reitoria de Extensão, que destina recursos financeiros para ajuda de custo aos estudantes, compra de equipamentos, criação e regularização das EJs. Nos últimos anos, foram disponibilizados R$ 200 mil em diferentes editais.

Atualmente, são 15 empresas juniores fomentadas em quase todos os campi do Instituto. Desse total, o Campus Machado dispõe de quatro EJs em efetivo funcionamento ou em fase final de regularização. As empresas Agrovantec, ACZ, IFEMAC, e Alitec reúnem estudantes dos respectivos cursos: Agronomia; Zootecnia; Administração e Sistemas de Informação; e Alimentos.

Perspectivas de negócio 

2Segundo dados do Censo e Identidade da Confederação Brasileira de Empresas Juniores (Brasil Júnior), o País tornou-se líder mundial no segmento de EJs, ultrapassando a quantidade de negócios do gênero desenvolvidos dentro das instituições de ensino superior em toda a Europa. Atualmente, são mais de 600 empresas juniores no Brasil, mais de 20 mil empresários juniores e mais de 11 mil projetos em andamento.

Em Minas Gerais, os números são ainda mais robustos, representando cerca de 25% da atuação as Ejs do País. De acordo com a Federação das Empresas Juniores de Minas Gerais (FEJEMG), a expectativa é de fechar o ano de 2019 com 150 Ejs federadas e 3.343 projetos em andamento. Se a meta for concluída, a Federação estima movimentar R$ 4.619.577. Esses indicadores demonstram o potencial de mercado do segmento, considerando um universo de associações sem fins lucrativos.    

3Para além do impacto econômico causado pelas Ejs, o caráter empreendedor do segmento revela uma face social que merece ser exaltada. No geral, esses negócios conciliam a formação teórica da sala de aula com a vivência de mercado e estimulam o “nascimento” de empreendedores, além de oferecerem prestação de serviços especializados a preços muito competitivos, estimulando o desenvolvimento regional. Esses são os objetivos principais do fomento às atividades no IFSULDEMINAS, conta o professor Diego Zanetti, membro do Escritório Local de Transferência Tecnológica (ELITT) do Campus Machado.

Como funcionam as empresas juniores

Assim como qualquer empresa, uma EJ é uma pessoa jurídica dotada de CNPJ, estatuto social, registro em cartório e de todas os requisitos exigidos na criação de uma empresa convencional, explica o professor Diego. A grande diferença entre uma empresa comum e uma empresa jr. é o objetivo que as move. Enquanto a primeira existe para gerar lucro e acumular capital, o funcionamento de uma EJ é baseado no fortalecimento da formação profissional dos membros que a compõem.

Uma empresa júnior potencializa o desenvolvimento de diversas competências, como liderança, trabalho em equipe, comunicação, habilidades difíceis de serem trabalhadas e implementadas em uma sala de aula convencional. Oferecer espaços para atuação profissional e aproximação do estudante com o mercado de trabalho tem sido um dos focos de trabalho da Coordenação de Extensão do Campus Machado.

Para Flávia Vasconcelos, presidente da empresa júnior na área de Zootecnia do campus, a criação da ACZ Jr. foi uma realização. Ela conta que já tinha visto muitas iniciativas em outras instituições de ensino e que viu a oportunidade de ganhar experiência no mundo do trabalho.

“Saber lidar com mercado de trabalho ainda dentro da faculdade é um grande passo na nossa carreira. Então a ACZjr é isso pra mim, uma ponte entre “vida acadêmica e o mercado de trabalho”, conta Flávia.

No Campus Machado, os estudantes do curso de Agronomia foram pioneiros na constituição das empresas juniores. A primeira delas, foi a Agrovantec Jr., que surgiu em 2014. Desde o início deste ano, o estudante Mateus Batista Dias Fernandes está à frente da EJ como presidente. Para ele, a atividade tem sido bastante desafiadora, "como não tínhamos todo o conselho diretivo formado, tive que ficar por conta de muita coisa". Mateus enxerga diversas oportunidades de mercado para serem exploradas, "consultoria em cafés, tanto orgânicos quanto especiais, hortas orgânicas, amostragem e recomendação de adubação, área de geoprocessamento, como o serviço que fizemos no bairro Paiolinho, uma separação de talhões de café", explica.

Vantagens de uma empresa júnior para

Alunos: utilizam a interação entre os membros da empresa e a troca de conhecimento e experiências para se desenvolverem pessoal, profissional e academicamente. 

Empresas: se beneficiam com os projetos desenvolvidos pelos alunos, cujas características são a alta qualidade dos trabalhos, garantida pela orientação dos professores, e o baixo investimento, uma vez que as empresas juniores não visam o lucro.

Instituições de ensino: com o investimento nas empresas juniores, elas obtêm retornos de imagem e, também, no que diz respeito à atração de novas parcerias, alunos e clientes. No caso de prestação de consultoria, as empresas conseguem oferecer bons projetos a um custo muito baixo. 

Conheça as empresas juniores do Campus Machado

 

 EJs Redes sociaisIFEMAC JR. 

Gerida por alunos de Administração, desenvolve projetos nas áreas de gestão empresarial, diagnóstico e planejamento estratégico, pesquisa de mercado e plano de marketing, gestão de pessoas (plano de cargos e salários, recrutamento e pesquisa de clima organizacional), análise de custos e planejamento financeiro.

Agrovantec Jr.

Envolve estudantes do curso de Agronomia, atua na área de produção vegetal e está apta a desenvolver atividades de amostragem de solo; interpretação e receituário agronômico; análise foliar e cadastro ambiental rural; recomendação de corretivos e fertilizantes; manejo de pragas, doenças e plantas daninhas (MIP); assistência para produção de cafés especiais (lavoura e pós colheita); sistemas de produção orgânica de cafés e hortas; serviços com GPS; e acompanhamento geral de lavouras.

AliTec Jr.

É uma EJ que presta serviços de consultoria e assessoria para indústrias e empresas do ramo alimentício, com a missão de oferecer soluções em processamento e qualidade dos alimentos. 

ACZ Jr. 

Gerida por alunos do curso de Zootecnia, a recém-criada ACZ Jr. tem como proposta desenvolver projetos na área de produção animal, orientando desde o planejamento de instalações e aquisição de animais até a obtenção do produto final.

Texto: Assessoria de Comunicação do Campus Machado

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página