Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro
Página inicial > Notícias > VI Semana das Ciências Agrárias

Início do conteúdo da página

VI Semana das Ciências Agrárias

Publicado: Segunda, 18 de Novembro de 2019, 17h51 | Última atualização em Terça, 19 de Novembro de 2019, 09h49

Sexta edição do evento reuniu mais de 150 estudantes

DSC 0100O IFSULDEMINAS - Campus Machado realizou nos dias 11, 12 e 13 de novembro a sexta edição da Semana das Ciências Agrárias. O evento trouxe uma série de palestras com inovações do setor, visando atualizar os conhecimentos dos estudantes e proporcionar a eles vivências de campo. 

Temas variados foram tratados pelas palestras dos dois primeiros dias. Para dar início à Semana, foi convidado o engenheiro agrônomo Leonardo Sodré, que falou sobre o case de sucesso de sua empresa, a GiroAgro. Há 18 anos, a empresa desenvolve tecnologia em produção e industrialização de fertilizantes líquidos especiais. Leonardo compartilhou um pouco da sua experiência de mercado, falou sobre como começou a empresa e sua trajetória até chegar aqui. Também buscou conscientizar os alunos sobre o perfil de profissional desejado pelas empresas. Logo após, o engenheiro agrônomo Jaime Maia falou sobre “Manejo de Nematóides nas Culturas de Interesse Agrícola”. 

O segundo dia do evento contou com a participação do egresso do Campus Machado, o engenheiro agrônomo Acácio Gonçalves, doutorando em Fitotecnia pela Esalq/USP. “Estratégias no Manejo de Plantas Daninhas no Café” foi o tema abordado por ele, que compartilhou um pouco de sua especialidade. Segundo explicou, no sul de Minas, o tratamento é feito com herbicidas pós-emergentes, que embora tenham menor investimento inicial, exigem diversas aplicações do produto. Por meio de tabelas e cálculos, ele demonstrou ser viável e eficiente para o cafeicultor o uso de herbicidas pré-emergentes, pois, ao final, apresentam melhor custo/benefício para a manutenção da lavoura. 

DSC 0123O consultor e engenheiro agrônomo Guy Carvalho falou sobre “Nutrição e adubação do cafeeiro”. Durante a palestra, trouxe experiências vivenciadas por ele no Espírito Santo e na Bahia, compartilhando, por exemplo, observações sobre a irrigação do café. Ele constatou a necessidade de estresse hídrico para produção eficiente, o que não era feito na região do sul de Minas e hoje é recomendado. Também falou sobre a resposta do café ao fósforo, o que recomenda e apresentou uma nova metodologia de poda do cafeeiro, a poda parcial (PPA).  

Estiveram presentes no evento, a coordenadora de Extensão do campus, Michelle Marques, o diretor de Ensino, professor Pedro Carvalho, o coordenador de Produção, Nikolas Amaral, além de professores do curso de Agronomia e a coordenadora do curso, professora Patrícia Alvim, responsável também pela coordenação do evento. Patrícia avaliou de forma muito positiva a semana. "Buscamos trazer profissionais bem práticos e relacionados ao que os estudantes têm aprendido na sala de aula. É um momento também de confraternização social, quando podem conviver uns com os outros, trocar opiniões e tirar dúvidas". 

Além de diversos patrocinadores, o evento teve custo de inscrição, o que, em momentos de redução de recursos, permitiu todas as ações realizadas. Segundo a coordenadora de Extensão do campus, Michelle Marques, a captação de recursos externos têm viabilizado eventos complementares à formação dos estudantes, principalmente fora dos horários de curso. Essa captação, seja por inscrições ou patrocínio, é feita por iniciativa dos estudantes. “Os recursos captados para essas atividades extracurriculares, normalmente, são geridos pela Fundação de Apoio ou pelas empresas juniores e permitem uma qualificação a mais aos alunos e também à comunidade”.

A novidade desta edição foi o Dia de Campo que fechou a programação da Semana, com três estações temáticas sobre Culturas anuais, Cafeicultura e Fruticultura, cujos conteúdos foram apresentados pelos estudantes do 9º período. Os participantes puderam escolher os temas para aprofundarem os assuntos abordados. O professor Walnir Ferreira Gomes foi orientador dos estudantes e contou que o Dia de Campo foi uma atividade avaliativa da disciplina de Sociologia e Extensão Rural. “A ideia inicial era realizar um Dia de Campo em alguma comunidade rural aqui na região em parceria com a Emater, após a realização de um diagnóstico nas propriedades. Com o corte de verbas do começo do semestre, decidimos criar um evento interno nas possibilidades dos setores produtivos do campus. Daí os temas escolhidos, pois são áreas com pesquisas e trabalhos de campo”, explicou.

WhatsApp Image 2019 11 14 at 11.10.53 1Para Walnir, a atividade é extremamente importante para o que os estudantes encontrarão, dentro de pouco tempo, no mercado de trabalho. “Mesmo que  não tenham realizado o diagnóstico em uma propriedade rural real e, a partir deste proporem ações de extensão e assistência técnica necessárias, eles vivenciaram todas as etapas, do planejamento, organização, produção, à realização e condução de um Dia de Campo. Certamente, quando estiverem atuando profissionalmente, esta vivência servirá de base para os desafios que enfrentarão”, pontuou.

 

Participação dos estudantes na organização  

A sexta Semana das Ciências foi organizada pelos estudantes do 9º período de Agronomia, que puderam aprender sobre o planejamento e execução de um evento. A aluna Maria Ester Pereira Vilela, uma das integrantes da organização e apresentadora da Semana, considerou a experiência proveitosa, “pois te dá uma noção de como é organizar um Dia de Campo para produtores, que em muitas empresas é responsabilidade do agrônomo”, contou

Maria Luiza Honório Carvalho foi uma das responsáveis pela Estação do Dia de Campo sobre fruticultura/maracujá. “A experiência foi incrível, porque eu pude mostrar aos alunos uma área que tem grande potencial no agronegócio nacional. Além do mais, foi um grande desafio para nós ministrarmos sobre o assunto de forma que os alunos de períodos diferentes conseguissem compreender”.

Leonardo Jacó integrou a equipe que cuidou da estação sobre adubação do cafeeiro. “ Foi uma experiência muito boa, pois passamos parte dos conhecimentos adquiridos ao longo do curso aos colegas de períodos anteriores ao nosso, sendo uma experiência próxima ao que vamos viver no dia dia, após a formação”. 

WhatsApp Image 2019 11 14 at 11.11.04 3O estudante Adriano Conti fez parte do grupo que organizou a estação sobre culturas anuais. "Achei uma grande experiência mostrar, na prática, temas que vemos somente no papel e na transparência. Foi bacana mostrar ao público que é possível fazer muito com pouco. Fizemos de improviso uma barra de pulverização, onde explicamos sobre a importância da escolha correta do tipo de ponta de pulverização, sobre a qualidade da água e o pH da calda, também demonstramos o espectro de gotas, usando papel hidrosensivel, falamos sobre a importância das condições climáticas ideais de aplicação e fechamos, comentando sobre a importância de se medir e testar tudo que é feito".

Texto: Ascom/IFSULDEMINAS - Campus Machado

Fotos: Divulgação

Data: 18/11/2019 

 

 

 

 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página